Novidades

A Pressão do Sucesso


Muito se tem falado sobre a pressão exercida pelos pais. Talvez pela crescente preocupação dos treinadores por este assunto, talvez pela cada vez maior influência exercida pelos pais e cada vez mais cedo, talvez como uma desculpa para não se formar mais e melhores jogadores, talvez um pouco de tudo…

Uma coisa é certa, esta é uma problemática real e muito atual.

A pressão para ser um atleta de elite não existe só no futebol. Existe em todos os desportos, sendo que o futebol, pela mediatização que tem, pelos valores que envolve, se tem tornado um sonho cada vez mais apetecível.

Mas será que todos os tipos de pressão são prejudiciais? Vou dar um exemplo… Na Etiópia, desde muito cedo as crianças têm o sonho de vir a chegar aos jogos olímpicos. É um país muito pobre, as crianças passam por dificuldades, correm descalços e não têm perspetivas de vir a ter um nível de vida superior. A não ser que… Venham a ser corredores de fundo de elite, venham a correr maratonas e cheguem aos Jogos Olímpicos. É a única forma que conhecem para vir a sair daqueles planaltos, e ter uma vida diferente. Desde muito novos, têm o sonho de vir a ser atletas, colocando em si próprios uma pressão enorme. Correm horas seguidas, todos os dias, completamente descalços, sempre à procura desse sonho.

Com mais ou menos ajuda ambiental, com mais ou menos ajuda genética, o certo é que esses meninos, que têm a pressão nos ombros de vir a chegar aos jogos olímpicos e levar a sua família para um sítio melhor, têm tido resultados.

E no futebol vemos o mesmo. Muitos dos jogadores que chegam mais longe não são aqueles que têm, à primeira vista, mais potencial mas sim aqueles que metem mais empenho, que metem mais pressão, mais motivação naquilo que fazem.

Neste momento eu deixaria de chamar pressão e sim motivação. Porquê? Porque quando falamos em pressão dos pais, falamos em expectativas muito altas, falamos em objetivos às vezes inalcançáveis. Ora “pressionar” é influenciar ou forçar alguém a fazer algo, mas sempre com um sentido perverso, e para mim nem sempre por a fasquia muito alta é um mau princípio.

Existem dois tipos de motivação, intrínseca, que vem de dentro do atleta, e extrínseca, que vem de fora, imposta por alguém. A motivação intrínseca é a mais importante, deixa os atletas mais comprometidos, normalmente leva a melhores resultados. A extrínseca muitas vezes tem um efeito contrário, os atletas deixam de se comprometer se deixarem de ter esse apoio exterior, e muitas vezes não chegam sequer a sentir os objetivos definidos como seus.

Onde entram os pais então nisto tudo? Bom, no meu ponto de vista os pais devem entrar na motivação intrínseca e na extrínseca, estamos a falar de crianças e não adultos. Devem ser aconselhados e ajudados a escolher o seu caminho, não devem ser obrigados a fazer nada, mas também não têm idade para tomar, sozinhos, as suas próprias decisões.

Os pais têm que ser sensíveis, têm que conhecer a criança que têm em casa, ajudá-la a definir as suas metas e a lutar por elas. Entram na motivação intrínseca porque, de certa forma, vão sempre influenciar os sonhos dos filhos; e entram na extrínseca porque todos os dias têm que estar lá para puxar por eles, para os apoiar e para os felicitar.

Têm que conhecer a personalidade da criança, perceber como é que reagem à crítica, como reagem ao elogio, como reagem quando dizemos que vão ser o novo Ronaldo ou quando dizemos que é quase impossível vir a ser jogador profissional. Cada criança é única e reage de forma diferente ao mesmo comentário, e são os pais e treinadores que têm que perceber qual a melhor forma de os motivar. E digo-vos muitas vezes a melhor forma de os motivar é meter-lhes a fasquia dos melhores do mundo!

“É a enorme pressão a que é submetido, que transforma o que outrora foi um simples e rejeitável carvão em um cobiçado e valioso diamante” Augusto Branco

Hugo Pinto

1 comentário:

  1. Bom artigo, posso ate acrescentar que o livro do Rasmus Ankersen: The Gold Mine Effect ajuda a entender alguns destes casos, desde o sucesso do atletas da etiopia, bem como o sucesso das atletas tenistas da Russia onde os Pais surgem como figuras essenciais no sucesso das filas na modalidade.
    Boa partilha!
    Abraco a todos os membros do Blog

    ResponderEliminar