Novidades

Concordam com as equipas que defendem em função do adversário?


Ao ver o Brasil-Alemanha para as meias-finais do Mundial 2014 (ver sequência em baixo) resolvi escrever sobre a organização defensiva em função do adversário, e antes de dar a minha opinião sobre o título do texto, faço uma pergunta que vai ao encontro do que eu penso sobre este tema: Tem lógica resolvermos um problema seguindo os passos ou as ideias de pessoas que não querem que esse problema fique resolvido?

2ºGolo da Alemanha - Orientação de Marcelo em função do adversário acompanhando todo o movimento deste e esquecendo o posicionamento defensivo da equipa 

No jogo, o objetivo de quem ataca é progredir no espaço de jogo, na direção da baliza do adversário até obter golo. Pelo contrário, quem defende tem como objetivo não deixar progredir o adversário na direção da sua baliza recuperando a posse de bola. Faz sentido, nós treinadores, orientarmos a nossa organização defensiva em função da equipa adversária, quando esta tem objetivos completamente distintos?

Eu penso que não, porque a equipa que defende será guiada para espaços que convém ao adversário para a concretização do seu objetivo. Imaginemos que jogamos com uma equipa que coloca muitos jogadores nos corredores laterais em ataque e que joga com avançados muito móveis, se optarmos pela “perseguição” aos jogadores adversários, serão criados espaços em zonas próximas da baliza, nomeadamente no corredor central e no setor ofensivo, contrariando deste modo o objetivo defensivo.

Outro ponto importante da minha discordância sobre esta forma de organização defensiva, é que se acreditam no futebol como um todo, onde defendemos de uma determinada forma para potenciarmos a nossa forma de atacar, não podemos orientarmo-nos em função do adversário. Vamos dar o exemplo de Cristiano Ronaldo, porque é que não acompanha constantemente o seu adversário direto? Não gosta de defender? Não é jogador de equipa? A resposta está na ideia de jogo do treinador nos diferentes momentos de jogo, que adapta defensivamente a sua equipa para libertar o Cristiano Ronaldo para o processo ofensivo. Se ele acompanhasse sempre o adversário direto, não estaria tão bem posicionado e disponível para atacar. 

Portanto se identificamos o jogo como um todo, onde temos ideias de defesa e de ataque que têm ligação e referências posicionais, se nos posicionamos defensivamente em função do adversário, após a recuperação da bola não teremos essas referências posicionais para atacar.

A defesa em função do adversário, quer seja marcando individualmente, quer acompanhando o adversário na zona pela qual é responsável contraria toda a especificidade do jogo, como modalidade coletiva e impede claramente que se possa idealizar um determinado estilo de jogo com princípios defensivos articulados com os princípios ofensivos.

Em conclusão, e respondendo à pergunta do tema, não concordo com a organização defensiva em função do adversário. As palavras de Valdano sobre a marcação ao homem clarificam a minha opinião: “Quem marca ao homem corre por onde o rival quer. Essa caçada tem por fim capturar um inimigo, mas o meio usado converte o marcador em prisioneiro. Tu segues-me, mas vais para onde eu quero.”

Pontos-Chave:

Defender em função do adversário é defender de acordo com o objetivo contrário à defesa.

Quem se organiza defensivamente em função do adversário não entende o jogo com sentido coletivo nem tem uma ideia de jogo com ligação entre defesa e ataque.

4 comentários:

  1. A defesa H-H não é por si só má ou antiquada, acho que se aplicada de forma concreta e bem trabalhada pode funcionar, temos o exemplo da Holanda que neste Mundial utilizou esta forma de defender com resultados positivos e depois temos o Brasil onde se passou o contrário. Apesar de tudo não sou um "adepto" da defensa H-H e concordo que a organização zonal é a melhor maneira de defender coletivamente e se bem operacionalizada é muito mais difícil de bater que a anterior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fábio o nosso obrigado pela tua participação. Concordo com o que disseste porque no Futebol, no que respeita ao aspeto tático, o que hoje é verdade amanhã pode ser mentira, porque quem tem sucesso é que está certo! Mas todos nós temos que acreditar naquilo que são as nossas ideias e que advém de pesquisa e observação, eu acredito na defesa em zona, se existe alguém que opta pela defesa H-H tem que operacionalizar e construir uma metodologia de acordo com essa ideia. Não posso aceitar é que se operacionalize para defender H-H e depois venham dizer em palavras aos atletas para manter a linha defensiva por exemplo ou criticá-los por não fazerem isso. A defesa H-H terá sempre mais desvantagens do que vantagens comparativamente com a zona.

      Eliminar
  2. quando jogadores do meio campo nao defendem extremos nao acompanham lateral quando sobe nao táctica resista seja H.H ou seja zona.....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, obviamente que não há tática que resista, por isso é que o jogo acaba quando uma equipa fica com menos 8 jogadores! Mas se eu fizer um exercício de Gr+10x6+Gr em que a equipa em inferioridade numérica pode optar por defender em zona ou defender H-H, quem terá maiores probabilidades de sucesso defensivo? Na equipa H-H eu vou deixar quatro jogadores sempre livres, na equipa em zona eu fecho os espaços mais importantes, condiciono o portador da bola para onde eu quero que ele jogue, fecho os espaços entre a bola e a baliza e assim pelo menos vou atrasar ao máximo a finalização. Mas sim é verdade, se eu tiver 3-4 Cristianos ou Messi na mesma equipa será muito mais difícil um bom equilíbrio defensivo.

      Eliminar